Assomada recebe festival internacional de capoeira

Volta Mundo junta capoeiristas de Cabo Verde, Espanha, Portugal, Eslováquia, França, Angola, Gâmbia, Croácia, Alemanha, Brasil, Estados Unidos da América, Suíça e Grécia, num universo de duas centenas de pessoas, e realiza-se sob o lema “Nôs Terra, Nôs Guentis”

 

A Cidade de Assomada recebe esta quarta-feira, 20, Volta Mundo, o primeiro festival internacional de capoeira realizado em Cabo Verde. Sob o lema “Nôs Terra, Nôs Guentis”, trata-se de uma iniciativa da Associação Cultural e Desportiva de Capoeira Oria Zambi.

O festival junta capoeiristas de Cabo Verde, Espanha, Portugal, Eslováquia, França, Angola, Gâmbia, Croácia, Alemanha, Brasil, Estados Unidos da América, Suíça e Grécia, num universo de duas centenas de pessoas.

Realizado entre 15 e 31 de março, Volta Mundo pretende sensibilizar, divulgar e fazer intercâmbio dedicado a esta arte marcial brasileira.

A partir das 10h00, os participantes do festival são recebidos pelo Presidente Beto Alves, um encontro que decorre no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Meia hora depois, acontece uma visita à Casa das Artes (espaço da Biblioteca Municipal), a que se seguem a Loja Social e Casa da Sopa e, ainda, a casa por onde passou na infância Amílcar Cabral e onde se pretende instalar o Museu da Resistência. Entre as 16 e as 19h00, a Zona Pedonal recebe Animação Cultural e Roda de Capoeira.

Capoeira: origem e história

A capoeira é uma expressão cultural caracterizada por seus movimentos ágeis e harmoniosos, em ritmo de música e aspetos coreográficos. Na capoeira, os praticantes utilizam mais os movimentos com os pés e a cabeça e menos os movimentos com as mãos.

O principal instrumento utilizado na capoeira é o birimbau. É ele que dita o ritmo e o estilo de jogo dando um som característico à capoeira. O berimbau é basicamente constituído de um pedaço de arame, um pedaço de pau e uma cabaça. Os ritmos podem ser bem variados.

A capoeira surgiu no Brasil, como uma forma de resistência dos escravos levados de África na época colonial. Além de ser utilizada para defesa física, a capoeira foi uma forma de resguardar a identidade dos escravos africanos. Principalmente, porque ela se consolidou no Quilombo dos Palmares. Passou aí a ser vista como uma prática violenta. Por isso mesmo, a capoeira foi proibida por um longo período, precisamente até 1930, quando mestre Bimba fez uma apresentação da luta para o então presidente Getúlio Vargas, que a transformou em desporto nacional brasileiro.

Atualmente, fala-se em “jogo de capoeira” ou em “roda de capoeira”, pois normalmente os movimentos são apenas simulações de ataque, defesa e esquiva entre dois capoeiristas. O objetivo do jogo é demonstrar superioridade em quesitos como a força, a habilidade, a autoconfiança e, sobretudo, através do gingado.

Gingado é o movimento de todo o corpo de forma ritmada, mantendo o corpo relaxado, deslocando o centro de gravidade do corpo constantemente e mantendo-se alerta para movimentos de esquiva, ataque e contra-ataque.

Existem vários estilos de capoeira, sendo 3 os principais:

Capoeira Angola – é a mais antiga, da época da escravidão. Suas principais características são: os golpes são jogados próximos ao chão, o ritmo musical é mais lento e há muita malícia. Durante a roda os participantes não batem palmas.

Capoeira Regional – Mantém a malícia, mais o ritmo musical e os movimentos são mais rápidos e secos. Acrobacias são menos utilizadas. Durante a roda os participantes batem palmas.

Capoeira Contemporânea – Mais praticado atualmente, esse estilo une algumas características da Capoeira de Angola e Regional.

A prática da capoeira provoca o aumento da frequência cardíaca, o desenvolvimento muscular, a queima de gordura e desenvolve força muscular, flexibilidade e resistência física.

(fonte: Infoescola, Brasil)

 


© Sítio da CM de Santa Catarina 2019